quarta-feira, 9 de abril de 2014

Palavras para pecado no Antigo Testamento

              Ra´a. Outra palavra hebraica que tem seu equivalente no grego como Kakos ou poneros e traz a ideia básica de romper, quebrar: "aquilo que causa dano, dor ou tristeza". É um tipo de pecado deliberado, malicioso, planejado, que provoca e enfurece. Dá a ideia de "ser mau" (Gn 8.21; Êx 334; Jr 11.11; Mq 2.1-3). Indica também algo injurioso e moralmente errado. São os pecados expressos por violência (Gn 3.5; 38.7; Jz 11.27). O profeta Isaías profetizou que Deus criou a luz e as trevas, a paz e o ra´a (Is 45.7). É o mal em forma de calamidade, ruína, miséria, aflição, infortúnio. Deus não tem culpa do mal existente, porque, na verdade, a responsabilidade pelos pecados cometidos recai, à luz da Bíblia, sobre a criatura rebelde, transgressora e incriminada, e não sobre o Criado. Rama quer dizer "enganar"; dá a ideia de prender numa armadilha, num laço. Implica, portanto, um tipo de pecado em forma de cilada para outro cair. É uma forma de enganar e agir traiçoeiramente (Sl 32.2; 34.13; 55.11; Jó 13.7; Is 53.9).
             Pata. É um termo que dá a ideia de seduzir. O sentido literal da palavra é "ser aberto" ou "abrir espaço" para o pecado ter livre curso. No Éden, Adão e Eva se deixaram seduzir pelo engano do pecado e pelo pai do pecado (Satanás), personificado numa serpente (Gn 3.4-7). Shagag O sentido aqui é "errar" ou "extraviar-se", como uma ovelha ou um bêbado (Is 28.7). É um tipo de erro pelo qual o transgressor torna-se responsável, ante a lei divina que condena o seu erro, pecado (Lv 4.2; Nm 15.22). Rasha´. Esta palavra aparece especialmente nos Salmos, como a ideia de impiedade ou perversidade. O sentido metafórico é o pecado em oposição à justiça (Êx 2.13; Sl 9; Sl 16; Pv 15.9; Ez 18.23).
               Ta´a. Este vocábulo se refere ao ato de extravio deliberado. Não se trata de algo acidental, e sim algo que uma pessoa comete sem perceber o fruto negativo gerado pelos seus atos pecaminosos (Nm 15.22; Sl 58.3; 119.21; Is 53.6; Ez 44.10,15).

segunda-feira, 10 de março de 2014

Palavras para pecado na Bíblia

              No Antigo Testamento encontramos pelo menos oito palavras básicas que conceituam o pecado. A primeira: Hatta´t, este vocábulo, que aparece 522 vezes nas páginas veterotestamentárias, e seu termo correlato no Novo Testamento - hamartia - sugerem a ideia de "errar o alvo", ou "desviar-se do rumo", como o arqueiro antigo que atirava as suas flechas e errava o alvo. Porém, o termo também sugere alguém que atirava as suas flechas e errava o alvo. Porém, o termo também sugere alguém que erra o alvo propositadamente; ou seja, que atinge outro alvo intencionalmente.
              Não se trata de uma ideia passiva de erro, mas implica uma ação proposital. Significa que cada ser humano tem da parte de Deus um alvo definido diante de si para alcançá-lo. O termo em apreço denota tanto a disposição de pecar como o ato resultante dela. Em síntese, o homem não foi criado para o pecado. (Lv 16.21; Sl 1.1; 51.4; 103.10; Is 1.18; Dn 9.16; Os 12.8).
              A segunda palavra: Peshá, o sentido tradicional dessa palavra é "transgredir", "rebelar", "revoltar-se". Porém, uma variante forte para defini-la implica o ato de invadir, de ir além, de rebelar-se. O termo aponta para alguém que foi além dos limites estabelecidos (Gn 3136; I Rs 12.19; II Rs 3.5; Sl 51.13; 89.32; Is 1.2; Am 4.4).

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

O culto cristão nos primórdios da história eclesiástica

O culto cristão no primórdios da História eclesiástica


Catacumba no período da Igreja primitiva

Informações sobre a ordem do culto em meados do segundo século são mais amplas e podem ser encontradas na Primeira Apologia de Justino Mártir e no Didaquê. O culto, que acontecia no "dia do sol", começava com a leitura das "memórias dos apóstolos" ou dos "escritos dos profetas" até quando "o tempo permitisse". Uma exortação ou homilia, baseada na leitura, era então feita pelo que presidia a reunião. A congregação ficava de pé para a oração. A celebração da ceia do Senhor seguia o beijo da paz. Os elementos do pão e da "água e vinho" eram dedicados por ação de graças e oração, às quais o povo respondia com "amém". Os diáconos distribuíam então os elementos para as casas daqueles que não podiam estar presentes à reunião. Por fim, tirava-se uma coleta para ajudar as viúvas e os órfãos, os doentes, os prisioneiros e os estrangeiros. A reunião então se encerrava e todos voltavam para suas casas. A ceia do Senhor e o batismo eram os dois sacramentos da Igreja Primitiva, usados por terem sido instituídos por Cristo. A imersão parece ter sido amplamente praticada no primeiro século, mas, de acordo com o Didaquê, o batismo podia ser ministrado com água na cabeça do batizando, se não houvesse nenhum rio ou uma grande quantidade de água à disposição. Somente os batizados participavam da Ceia.
pág 71 - O Cristianismo através dos séculos - Uma História da Igreja Cristã - Earle E. Cairns - Vida Nova.

quarta-feira, 31 de julho de 2013

Consequências de uma atitude tomada no desespero.

As Escrituras no capítulo 12 de Gênesis relatam o início da história de Abraão, o seu chamado. Seu chamado foi claro, "Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei." Gn 12:1, e Abrão obedeceu, mas quando ele chegou nessa terra que Deus tinha mostrado, ele encontrou fome, Gn 12:10. Abrão era um homem de posses Gn 12:5, era um homem com a vida estabilizada, aparentemente não tinha sentido ele obedecer a Deus, mas mesmo assim, Abrão obedeceu, mas se encontrou em um dilema, a FOME, provavelmente passou em sua mente, eu obedeço a Deus, e ao invés de ser abençoado como Ele me prometeu, eu encontro FOME! Diante dessa situação desesperadora, Abrão, decidiu ir para o Egito, uma atitude em meio ao desespero. Todos no meio cristão conhecem a analogia que se faz com o Egito, Esse local no Antigo Testamento sempre é lembrado como um lugar de escravidão, sendo assim, o Egito pode ser equiparado com a vida longe de Deus, onde os indivíduos são escravos do pecado. Cheguei no clímax, quando obedecemos a Deus muitas vezes por obedecê-lo encontraremos dificuldades, (exemplo: Igreja Primitiva), mas mesmo assim devemos nos manter fiéis ao chamado inicial de Deus sabendo que todas as coisas contribuem juntamente para o bem daqueles que amam a Deus Rm 8:28, mas Abrão tomou uma atitude precipitada ,ele desceu ao Egito, nesse local, ele teve que mentir para sobreviver (característica principal do mundo, todos vivem uma mentira e de aparências) e aparentemente foi "abençoado" mas mal sabia do que estava por vir. Em Gn 12: 16 está escrito assim "E fez bem a Abrão por amor dela; e ele teve ovelhas, e vacas, e jumentos e servos, e servas, e jumentas, e camelos." Vamos especular um pouco, aparentemente Abrão não tinha servos egípcios, então consequentemente os servos egípcios vieram nessa leva, e provavelmente Agar foi junto, para quem não sabe Agar foi motivo de grandes confusões na vida Abraão, ou seja, um erro, acarretou em outro erro, no Egito, Abrão teve que mentir, quase perdeu a esposa, e ainda ganhou um problema futuro. Pense bem antes de desobedecer a Deus, será que vale a pena? Aparentemente sua vida passageira melhore, mas no fim você verá as consequências, Abraão se levantou desse deslize, se você já deslizou, então se levante como Abraão, e volte para a presença de Deus, aqui vos fala um que também já passou por isso, e com a força de Deus foi levantado, não caia mais, e se já está em pé, cuide para que não caia, sirva a Deus em qualquer circunstâncias, como você provavelmente já louvou de boca para fora. "Porquanto, ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vide; o produto da oliveira minta, e os campos não produzam mantimento; as ovelhas da malhada sejam arrebatadas, e nos currais não haja vacas; Todavia eu me alegrarei no Senhor, exultarei no Deus da minha salvação." Hb 3:17-18. Que Deus seja mais importante para você do que sua própria vida terrena, entenda, tudo nessa esfera terrena é pó e apodrece, mas aquele que permanece fiel, permanece para sempre.

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Homem prudente ou homem tolo?

O texto bíblico de Mateus capítulo 7: 24 - 28, conta a história de dois homens, um era prudente, o outro era tolo, o prudente segundo Cristo, é aquele que ouve as palavras de Deus e as pratica, já o tolo é aquele que ouve as palavras de Deus e não as pratica, simples assim, a tolice está na desobediência, enquanto a prudência está na obediência constante, sabendo que o trabalho não é vão no Senhor. O prudente acredita que depende totalmente da Graça de Deus enquanto o tolo confia na sua força, o prudente é aquele que firmado na rocha, sem negociar seus princípios, passa por tempestades, ventos impetuosos e não cai, enquanto o tolo, é levado por qualquer vento de doutrina estranha, e você que está lendo, de acordo com Jesus Cristo, você é tolo ou prudente?